Pouco gêneros foram tão onipresentes nos quadrinhos lançados mensalmente no Brasil quanto o de super-heróis. Nos últimos anos, tivemos capas esvoaçantes para lá, identidades secretas para cá, e assim fomos ultrapassando kryptonitas, cubos cósmicos e afins.

Separar para o Sugestões de Sábado apenas três HQs deste gênero foi quase ingrato. Digo “quase” porque é sempre um prazer revisitar obras tão boas. Além do mais, esta é uma sessão semanal, e nada me impede de voltar ao tema em breve.

As três sugestões de hoje, embora sejam do mesmo gênero, são diferentes entre si. Starman era um personagem consagrado da DC quando James Robinson resolveu mexer em sua mitologia; o mundo de Ex Machina é distante dos universos de Marvel e DC, e tem um único super-herói; e, o mundo de Astro City é habitado por dezenas de super-heróis que não são nem Marvel nem DC, mas na maioria dos casos prestam homenagem direta a eles.

Boa leitura!

Starman”, volume 1, de James Robinson e Tony Harris

A DC Comics gosta do título “Staman” para seus super-heróis. No princípio, era um cientista quem ostentava este nome, depois vieram o príncipe alienígena, o guerreiro bem intencionado, o rapaz que ganhou poderes por acaso…

Quando o roteirista James Robinson e o artista Tony Harris pegaram a revista mensal “Starman”, a ideia era criar um herói completamente novo, mas aproveitando todas as pontas de uma mitologia tão vasta que ia de passagens pelo Velho Oeste do século 19 a um super-herói do século 30. E eles conseguiram. Em 81 edições, lançadas entre 1994 e 2001, apresentaram uma obra incrível e surpreendentemente coesa.

Infelizmente, apenas a primeira parte desta enorme saga foi publicada por aqui. Mesmo assim, vale a pena: já estão uma ali os elementos que fizeram desta série uma das melhores obras de super-heróis dos anos 90.

Ex Machina”, volume 1, de Brian K. Vaughan e Tony Harris

O talentoso Tony Harris parece ter um ótimo olho para as séries que assume – ele também ilustrou “Starman”, citada logo acima. “Ex Machina” retrata o que acontece ao único super-herói de seu mundo depois que se aposenta – ele vira político!

A série (felizmente, publicada integralmente por aqui) mostra os desafios políticos – mas não só – deste incrível e complexo personagem chamado Mitchell Hundred, outrora herói fantasiado, mas hoje prefeito de Nova York.

Astro City”, volume 1, de Kurt Busiek, Brent Anderson e Alex Ross

Imagine um mundo – na verdade, uma cidade! – em que os maiores heróis da Marvel e da DC vivem – e envelhecem – juntos há décadas. Impossível, claro. Mas Kurt Busiek, Brent Anderson e Alex Ross criaram “Astro City”, uma série incrível de histórias que homenageiam todos os grandes personagens deste gênero, com sensibilidade e muita ação, ao mesmo tempo em que apresentam um riquíssimo elenco de personagens próprios.

“Astro City” é uma baita declaração de amor ao gênero dos super-heróis.

Please follow and like us:

Escrito por

Pedro Cirne

Meu nome é Pedro, nasci em 1977 em São Paulo e sou escritor e jornalista - trabalho na Argus Media e escrevo sobre quadrinhos na TV Cultura.
Lancei dois livros: o primeiro foi "Púrpura" (Editora do Sesi-SP, 2016), graphic novel que eu escrevi e que contou com ilustrações 18 artistas dos oito países lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Este álbum contemplado pelo Bolsa Criar Lusofonia, concedido a cada dois anos pelo Centro Nacional de Cultura de Portugal.
Meu segundo livro foi o romance "Venha Me Ver Enquanto Estou Viva”, contemplado pelo Proac-SP em 2017 e lançado pela Editora do Sesi-SP em dezembro de 2018.
Como jornalista, trabalhei na "Folha de S.Paulo" de 1996 a 2000 e no UOL de 2000 a 2019.

Quer falar comigo, mas não pelos comentários do post? OK! Meu e-mail é pedrocirne@gmail.com

LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/pedro-cirne-563a98169