O título entregou tudo… e tudo bem! Hoje é Dia Internacional da Mulher, então separei dez títulos de autoras para sugerir. Aqui, no site Hábito de Quadrinhos, sugiro uma obra americana de não-ficção, um mangá fofo, uma super-heroína da Marvel Comics, um humor argentino e uma obra erótica europeia. Para completar, na edição de hoje da coluna Hábito de Quadrinhos, publicada na TV Cultura, trago apenas dicas de HQs nacionais.

Fun Home: Uma Tragicomédia em Família”, de Alison Bechdel
Uma obra incrível, com uma sinceridade e crueza que poucas obras de não-ficção conseguem alcançar em qualquer mídia.

Bechdel trata de várias questões ao mesmo tempo: como ela saiu do armário, o casamento péssimo de seus pais (Bruce era gay não assumido), a difícil relação entre o pai e seus filhos.

Para deixar ainda tudo mais denso, a morte dele, aos 44 anos, pode ter sido um suicídio – não há certeza em relação a isso.

Ms. Marvel“, de G. Willow Wilson
Após o intensivão de realidade de Bechdel, um pouco da fantasia dos super-heróis – no caso, de uma super-heroína.

O legado dos heróis Marvel é meio complicado dentro da editora Marvel. São seis Capitães Marvel – e uma delas começou carreira como Miss Marvel. A ótima roteirista G. Willow Wilson (da graphic novel “Cairo”, infelizmente inédita no Brasil) resolveu adentrar nesse legado e criou uma heroína: Kamala Khan, a nova Miss Marvel! As histórias eram divertidas e bem feitas – o volume que indico aqui traz a origem da personagem.

A personagem de G. Willow Wilson vai ganhar sua própria série no Universo Cinematográfico Marvel: “Ms. Marvel” estreia ainda este ano no Disney+.

Kimi ni Todoke – Que Chegue A Você“, de Karuho Shiina
Um mangá fofo, fofo de amor. Sawako é uma garota doce, mas não muito popular. Tudo muda quando o bonito e simpático Kazehaya começa a se aproximar dela. A série saiu originalmente no Japão de 2006 a 2017, e foi compilada em 30 volumes – todos já publicados no Brasil.

Não à toa, “Kimi ni Todoke” foi um dos grandes vencedores do Kodansha Award de 2008 – uma das duas grandes premiações japoneses dedicadas a seus mangás.

Curvas Perigosas“, de Maitena Burundarema
“Não tem que compreender as mulheres… tem que amá-las! As mulheres não têm manual de uso… exceto pelos meus livros!”

A simpática argentina Maitena me disse essas frases em uma entrevista feita há 18 anos… E hoje, quase duas décadas depois, ela continua descrevendo as mulheres – e os homens, claro – em quadrinhos com altas doses de humor.

Giovaníssima“, de Giovanna Casotto
Os quadrinhos eróticos da italiana Giovanna Casotto se destacam por um motivo simples: ela é uma ótima artista. Giovanna altera cenas bem-humoradas com erotismo puro em histórias que se destacam por suas ilustrações hiper-realistas.

Please follow and like us:

Escrito por

Pedro Cirne

Meu nome é Pedro, nasci em 1977 em São Paulo e sou escritor e jornalista - trabalho na Argus Media e escrevo sobre quadrinhos na TV Cultura.
Lancei dois livros: o primeiro foi "Púrpura" (Editora do Sesi-SP, 2016), graphic novel que eu escrevi e que contou com ilustrações 18 artistas dos oito países lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Este álbum contemplado pelo Bolsa Criar Lusofonia, concedido a cada dois anos pelo Centro Nacional de Cultura de Portugal.
Meu segundo livro foi o romance "Venha Me Ver Enquanto Estou Viva”, contemplado pelo Proac-SP em 2017 e lançado pela Editora do Sesi-SP em dezembro de 2018.
Como jornalista, trabalhei na "Folha de S.Paulo" de 1996 a 2000 e no UOL de 2000 a 2019.

Quer falar comigo, mas não pelos comentários do post? OK! Meu e-mail é pedrocirne@gmail.com

LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/pedro-cirne-563a98169