Cite três ótimos artistas brasileiros que criam quadrinhos de humor. Aposto que você pensou em seis sem fazer esforço.

Próximo sábado é o Dia Nacional da História em Quadrinhos. Estou aproveitando a semana para escrever diariamente sobre HQs nacionais. Hoje, vou recomendar três álbuns de humor.

(E, só para constar, eu também pensei em Laerte, Angeli, Adão, Pryscila Vieira, Estevão Ribeiro, Luis Fernando Verissimo… só fera.)

Amok – Cabeça, Tronco e Membros”, de Benett

O paranaense Benett é muito engraçado. E sua obra é bem inteligente – se você acompanha as charges que ele publica nas redes sociais, sabe do que estou falando.

Seu personagem Amok estrela histórias de um humor ácido e cirúrgico. No caso do Amok, aliás, seria uma cirurgia sem anestesia…

Mundinho Animal”, de Arnaldo Branco

O carioca Arnaldo Branco é um baita observador da sociedade brasileira, especialmente da classe artística. Mas na sua crítica social, sobra para todo mundo. Até eu me identifiquei em algumas de suas tiras – e me senti levemente ridículo por isso. Talvez pudesse ter me sentido ofendido, mas me fez refletir. Ou seja, recomendo.

A Vida com Logan”, de Flávio Soares

Um tipo diferente de humor: afinal, Soares está retratando seus dois filhos. Há humor, claro, mas também lirismo e amor para falar de Logan, o primogênito que tem síndrome de Down. Gosto tanto que tenho uma arte original autografada e emoldurada aqui em casa.

Please follow and like us:

Escrito por

Pedro Cirne

Meu nome é Pedro, nasci em 1977 em São Paulo e sou escritor e jornalista - trabalho na Argus Media e escrevo sobre quadrinhos na TV Cultura.
Lancei dois livros: o primeiro foi "Púrpura" (Editora do Sesi-SP, 2016), graphic novel que eu escrevi e que contou com ilustrações 18 artistas dos oito países lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Este álbum contemplado pelo Bolsa Criar Lusofonia, concedido a cada dois anos pelo Centro Nacional de Cultura de Portugal.
Meu segundo livro foi o romance "Venha Me Ver Enquanto Estou Viva”, contemplado pelo Proac-SP em 2017 e lançado pela Editora do Sesi-SP em dezembro de 2018.
Como jornalista, trabalhei na "Folha de S.Paulo" de 1996 a 2000 e no UOL de 2000 a 2019.

Quer falar comigo, mas não pelos comentários do post? OK! Meu e-mail é pedrocirne@gmail.com

LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/pedro-cirne-563a98169