Sim, o título entregou. Estamos na Semana Nacional da História em Quadrinhos, então vou dedicar todos os dias, até domingo, para falar de HQs brasileiras. Hoje, vou sugerir três dramas que me marcaram, de qualidade acima da média.

Bem acima da média.

Castanha do Pará”, de Gidalti Oliveira Moura Júnior

A categoria história em quadrinhos do Prêmio Jabuti estreou em 2017 com um belíssimo vitorioso: “Castanha do Pará” retrata um dia na vida de Castanha, um jovem da periferia de Belém que vive em situação de rua. Bem escrito e ilustrado, foi publicado originalmente de forma independente – ou seja, sem editora.

Adeus Chamigo Brasileiro”, de André Toral

Toral é mais do que um ótimo quadrinista: ele tem mestrado em antropologia e doutorado em história. Junta seu talento a seu conhecimento e, presto!, temos uma bela HQ que retrata um momento histórico do Brasil. No caso de “Adeus Chamigo Brasileiro”, desfrutamos de uma história ambientada durante a conturbada participação brasileira na Guerra do Paraguai.

Tungstênio”, de Marcello Quintanilha

Um policial, sua esposa e um traficante estão no centro desta graphic novel ambientada na Bahia. Quintanilha impressiona pela arte, mas preste atenção ao roteiro: seus personagens são profundos, e suas tramas tem um quê de cinematográficas.

Please follow and like us:

Escrito por

Pedro Cirne

Meu nome é Pedro, nasci em 1977 em São Paulo e sou escritor e jornalista - trabalho na Argus Media e escrevo sobre quadrinhos na TV Cultura.
Lancei dois livros: o primeiro foi "Púrpura" (Editora do Sesi-SP, 2016), graphic novel que eu escrevi e que contou com ilustrações 18 artistas dos oito países lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Este álbum contemplado pelo Bolsa Criar Lusofonia, concedido a cada dois anos pelo Centro Nacional de Cultura de Portugal.
Meu segundo livro foi o romance "Venha Me Ver Enquanto Estou Viva”, contemplado pelo Proac-SP em 2017 e lançado pela Editora do Sesi-SP em dezembro de 2018.
Como jornalista, trabalhei na "Folha de S.Paulo" de 1996 a 2000 e no UOL de 2000 a 2019.

Quer falar comigo, mas não pelos comentários do post? OK! Meu e-mail é pedrocirne@gmail.com

LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/pedro-cirne-563a98169