O francês Festival de Angoulême divulgou na semana passada os premiados da edição este ano, e o drama “The Hunting Accident” foi eleito o álbum do ano.

Lançado originalmente em 2017 nos Estados Unidos, “The Hunting Accident: A True Story of Crime and Poetry” (em tradução livre, “O acidente de caça: uma história verdadeira de crime e poesia” foi escrito por David L. Carlson e ilustrado por Landis Blair, autores pouco conhecidos por aqui – acho até que são inéditos.

O livro gira em torno de um rapaz cujo pai sofreu um acidente enquanto caçava. Hoje, cego, escreve poemas épicos em braile. O mistério começa quando o filho descobre que, na verdade, não foi um acidente que cegou seu pai.

Até poucos anos atrás, os vencedores de Angoulême tinham pouco (ou nenhum) espaço aqui no Brasil. Só eram publicados por aqui obras que haviam sido publicadas originalmente nos EUA e depois republicadas na França, caso deste “Hunting Accident”. Felizmente, de uns tempos para cá, isso começou a mudar aos poucos, e tivemos acesso a “Cinco mil Quilômetros por Segundo”, do italiano Manuele Fior, e “Crônicas de Jerusalém”, do canadense Guy Delisle, para citar alguns dos vencedores recentes.

Angoulême está em sua 48ª edição e, pela primeira vez, será dividido em duas etapas distintas – por causa de pandemia de Covid, claro. Celebrado originalmente em janeiro, o festival teve alguns eventos na semana passada (como a divulgação dos vencedores), mas terá uma segunda parte de 24 a 27 de junho – espera-se que presencial.

Please follow and like us:

Escrito por

Pedro Cirne

Meu nome é Pedro, nasci em 1977 em São Paulo e sou escritor e jornalista - trabalho na Argus Media e escrevo sobre quadrinhos na TV Cultura.
Lancei dois livros: o primeiro foi "Púrpura" (Editora do Sesi-SP, 2016), graphic novel que eu escrevi e que contou com ilustrações 18 artistas dos oito países lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Este álbum contemplado pelo Bolsa Criar Lusofonia, concedido a cada dois anos pelo Centro Nacional de Cultura de Portugal.
Meu segundo livro foi o romance "Venha Me Ver Enquanto Estou Viva”, contemplado pelo Proac-SP em 2017 e lançado pela Editora do Sesi-SP em dezembro de 2018.
Como jornalista, trabalhei na "Folha de S.Paulo" de 1996 a 2000 e no UOL de 2000 a 2019.

Quer falar comigo, mas não pelos comentários do post? OK! Meu e-mail é pedrocirne@gmail.com

LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/pedro-cirne-563a98169