Quando comecei a ler “Estranhos no Paraíso”, de Terry Moore, gostei bastante. Do roteiro, da arte linda e de uma coisa que sempre me tira da zona de conforto: a incapacidade de enquadrar facilmente em um gênero. É uma comédia? Romance? Aventura? Drama?

Foi a editora Abril quem publicou os três primeiros volumes desta saga no Brasil. Depois, a obra foi pingando de editora em editora, mas nunca chegando ao fim – o Universo HQ conta essa história confusa aqui.

Agora, felizmente, os leitores brasileiros poderão ler a obra impressa até o final. A editora Devir já colocou em pré-venda o sexto volume de sua coleção “Estranhos no Paraíso”, que reúne as 107 histórias publicadas de 1993 a 2007.

É difícil resumir essa obra, não só pelo tamanho. Todos os seus personagens são complexos, cheios de subtextos e segredos. Mas vou tentar.

O erudito e artístico David é apaixonado pela porralouca Katchoo, que ama sua melhor amiga, a doce e sensível Francine. Entram aí no rolo uma rede de prostitutas de luxo, famílias disfuncionais e uma porrada de segredos. Para melhorar, Moore não é um quadrinista acomodado: mistura sua narrativa cativante com inovações como páginas de prosa, versos líricos e até uma hilária sátira de Xena, a Princesa Guerreira.

Se você gosta de comédia, romance, aventura ou drama, recomendo. É quadrinho de alta qualidade. E acho que, quando terminar o último volume, ainda não saberei em quais desses gêneros a história mais se enquadra. Ainda bem!

Please follow and like us:

Escrito por

Pedro Cirne

Meu nome é Pedro, nasci em 1977 em São Paulo e sou escritor e jornalista - trabalho na Argus Media e escrevo sobre quadrinhos na TV Cultura.
Lancei dois livros: o primeiro foi "Púrpura" (Editora do Sesi-SP, 2016), graphic novel que eu escrevi e que contou com ilustrações 18 artistas dos oito países lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Este álbum contemplado pelo Bolsa Criar Lusofonia, concedido a cada dois anos pelo Centro Nacional de Cultura de Portugal.
Meu segundo livro foi o romance "Venha Me Ver Enquanto Estou Viva”, contemplado pelo Proac-SP em 2017 e lançado pela Editora do Sesi-SP em dezembro de 2018.
Como jornalista, trabalhei na "Folha de S.Paulo" de 1996 a 2000 e no UOL de 2000 a 2019.

Quer falar comigo, mas não pelos comentários do post? OK! Meu e-mail é pedrocirne@gmail.com

LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/pedro-cirne-563a98169